Trigêmeas são diplomadas em Paramirim

0
5141
Trigêmeas são diplomadas em Paramirim

Dentre as muitas curiosidades que já registrei sobre a história de Paramirim, esta não poderia faltar, até porque é um fato inédito.

Trata-se das trigêmeas Elaine, Leiliane e Mariane, talvez o único caso registrado no cartório local. Não falo com absoluta certeza, mas as indagações nos dão contas que nenhum outro até então tenha ocorrido, salvo no anonimato da oralidade.

Não se sabe exatamente o número de partos triplos já ocorridos no Brasil, mas o de maior notoriedade ficou por conta dos nascimentos de Laura, Beatriz e Vinicius, filhos de Fátima Bernardes e William Bonner, os quais em 21 de outubro próximo passado completaram 20 anos de idade.

Quanto às paramirinhenses, das quais somos conterrâneos, todas com o sobrenome Mendes Alves, ressalto que nasceram no Hospital Aurélio Rocha em 13 de janeiro de 2012, amparadas pelas mãos do ginecologista Dr. Milton Barbosa Azevedo e suas assistentes.

Já passados mais de cinco anos, as irmãs Alves Mendes, filhas de Dona Iraci e José Francisco, residentes no Conjunto Habitacional Santo Antônio, nesta quinta-feira (07) voltaram à   berlinda, desta vez para serem diplomadas na primeira turma do ABC, da Creche Hermínia Maria de Jesus, localizada no mesmo bairro residencial.

Vários aspectos existem de extraordinários na trajetória de vida dessas garotas e dos demais colegas que também foram diplomados na mesma oportunidade. Com uma diplominha na mão, são escalados os degraus iniciais do aprendizado para se matricularem numa nova etapa escolar. Uma façanha, elogiável, pode se dizer. Feliz da criança que aproveita o seu tempo para brincar e estudar. Nesse particular, com certeza, o trio está dando contas do recado. Atividades lúdicas não lhes faltam no ambiente acolhedor da escola.

As trigêmeas de D. Iraci compõem um grupo de 60 crianças que estudam na Creche da Espanha (nome popular do Bairro Santo Antônio), onde usufruem dos benefícios que educação infantil lhes garante, do transporte à merenda, do uniforme ao material didático. Com direito inclusive à cuidadora e docentes perseverantes nas tarefas do cotidiano escolar.

Muito bom seria se milhares ou milhões de outras crianças com a mesma idade desses pequenos atores tivessem as mesmas oportunidades de estudo que as protagonistas do bairro Santo Antônio estão tendo, para que num futuro bem próximo pudéssemos dizer somos um país alfabetizado. Somos um país com todas as crianças aprendendo ler e escrever na idade certa.

Parabéns Mariana, Elaine e Leiliane continuem juntas e perseverantes, Paramirim aposta em vocês, nuca esqueçam que o melhor caminho é a educação. Vamos acompanha-las de perto com dedicação e carinho. As primeiras sementes já foram colhidas. Com certeza, outros frutos estão por vir. Oxalá que num futuro bem próximo, vocês sejam doutoras de verdade.

Publicidade